28/5/17
 
 
Guilherme Rosa. “O Brexit foi um ressabiamento nacionalista”

Guilherme Rosa. “O Brexit foi um ressabiamento nacionalista”

João Porfírio 20/03/2017 17:06

Já trabalhou num café e numa estação de serviço em Londres. Hoje é o único político português na capital inglesa. Fez campanha contra o Brexit e, nesta entrevista, denuncia “um caso muito infeliz que está a passar-se com portugueses”

Guilherme Rosa vive na capital inglesa há 15 anos e é o único político português em Londres. Eleito vereador em 2014 no município londrino de Lambeth - onde um terço do eleitorado é português - acredita que, se o referendo se realizasse hoje, o desfecho seria diferente.

Veio para Londres com o intuito de ser político?

Não, não. Isso só aconteceu muito depois de cá chegar. No ano em que cheguei a Londres tive quatro trabalhos: na Agência Portuguesa do Ambiente, numa estação de serviço numa autoestrada, num café em Notting Hill e numa delicatessen - loja de iguarias. Meti-me na política em 2006, na secção do PS, onde fiquei como representante.

Imaginou que o referendo onde os britânicos iriam decidir a saída ou não do Reino Unido da UE se fosse realizar, ou isso parecia-lhe uma realidade distante?

Quem anda na política há algum tempo já sabia que era uma grande asneira se fizessem o referendo, por isso até agora todos os governos se inibiram de o fazer. A principal razão é que é muito complicado dar às pessoas, de uma forma muito populista, a hipótese de votarem numa lei tão importante com uma pergunta só de “sim ou não”. Todos os governos tiveram medo e o David Cameron fez o erro de palmatória da sua carreira política. Não tinha nada que fazer isto, não foi frio o suficiente para perceber que se ia meter numa grande alhada.

Cameron convoca o referendo e com a vitória do Brexit demite-se. Porquê?

Porque falhou redondamente. O próprio prometeu que se o Brexit ganhasse se demitia. Toda a gente neste país achava que o Remain iria ganhar, 99%, até os ‘brexistas’. Curiosamente, ou não, ninguém fez planos absolutamente nenhuns de como seria sair da União Europeia. Zero. Os pró-Brexit queriam o referendo para chamar a atenção para alguns direitos que achavam essenciais, consequentemente, contra os imigrantes. Os ‘brexistas’ consideram que nós fazemos o que nos apetece, que não trabalhamos, e por isso considero que o Brexit foi um ressabiamento nacionalista.

Leia mais na edição impressa do i desta segunda-feira. Já nas bancas 

 

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×