25/4/17
 
 
Conheça os dez santos portugueses a quem vão juntar-se Francisco e Jacinta

Conheça os dez santos portugueses a quem vão juntar-se Francisco e Jacinta

Marta F. Reis 21/04/2017 16:42

Do padre que aconselhou D. Afonso Henriques ao Santo Condestável, passando pela Rainha Santa Isabel, Santo António “casamenteiro” e religiosos que pregaram no meio de perseguições no Oriente, Portugal somará com os pastorinhos e com Ambrósio Francisco Ferro, que será canonizado em outubro, 12 santos. Antes da fundação do país há outros santos nos altares da Igreja, mas fica a história destes que fazem companhia a Francisco e Jacinta.

São Teotónio

É considerado o primeiro santo português. Natural de Ganfei, em Valença, foi para padre e tornou-se próximo de D. Afonso Henriques ainda antes da fundação do reino de Portugal, vindo a ser conselheiro do rei, que repreendeu por fazer escravos os moçárabes, cristãos que viviam sob o governo mulçumano. Foi canonizado em Roma pelo Papa Alexandre III em 1163.

Santo António de Lisboa

Natural de Lisboa, nascido Fernando Martins, foi frade no Convento de São Vicente de Fora e depois no Convento de Santa Cruz, em Coimbra. Teólogo, é considerado o primeiro doutor da Ordem Franciscana, tendo trabalhado com Francisco de Assis. É um dos santos mais populares da igreja. O seu poder de comunicação era famoso e tornou-se o santo devoto das solteiras. Embora não pregasse sobre o cupido, conta-se que ajudaria famílias mais desfavorecidas a pagar os dotes das filhas. Foi canonizado em 1232.

Santa Beatriz da Silva 

Nasceu em Campo Maior em 1424 e foi enviada para a corte espanhola para ser dama de companhia  da rainha Isabel, segunda mulher do rei João II de Castela. A beleza da jovem terá causado inveja à rainha, que a mandou fechar numa arca. Reza a história que Beatriz sobreviveu depois de rezar a Virgem Maria, foi juntar-se às monjas dominicanas em Toledo e escondeu o rosto para o resto da vida. Morreu em 1492 e conta a lenda que, quando lhe destaparam o rosto, tinha uma luz brilhante na cara. Foi canonizada em 1976.

Rainha Santa Isabel

Isabel de Aragão, rainha consorte de Portugal, casou com D. Dinis aos 12 anos. O milagre das rosas é uma das lendas em torno da sua figura, símbolo de piedade. Um dia em que saiu para distribuir pães, surpreendida pelo rei, terá dito que levava rosas e elas apareceram. Foi canonizada em 1625 pelo Papa Urbano VIII. O corpo de Isabel está preservado num túmulo de prata e cristal no Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, em Coimbra. A sua mão esteve exposta no ano passado.

São João de Deus

João Cidade nasceu em Montemor-o-Novo em 1495 e é patrono dos hospitais, doentes e enfermeiros. Fundou a Ordem Hospitaleira, depois de trocar a vida militar pela assistência a doentes mentais. Ver como eram tratados os loucos quando foi internado pela forma como a conversão ao ouvir um sermão de S. João de Ávila tinha mudado o seu comportamento foi o momento de viragem. Foi beatificado pelo papa Urbano VIII em 1630 e elevado a santo pelo papa Alexandre VIII em 1690.

São Gonçalo Garcia

Frade franciscano natural de Bazaim, na altura território português na Índia, Gonçalo Garcia foi morto em 1597 no Japão, onde estava ao serviço como intérprete de missionários. Foi preso e torturado junto com os franciscanos a mando do imperador Toyotomi Hideyoshi e morreu crucificado em Nagasaki, aos 40 anos. Foi canonizado em 1862 pelo Papa Pio IX. 

São João de Brito 

São João de Brito nasceu em Lisboa a 1 de março de 1647. Foi sacerdote jesuíta e trabalhou em missões na Índia, num período de perseguições religiosas. Foi morto em Ordur depois de ter dado assistência espiritual a um príncipe que se converteu ao cristianismo. O processo de beatificação ficaria parado durante os anos em que o Vaticano suprimiu a Companhia de Jesus. Acabaria por ser beatificado em 1853, 160 anos depois da sua morte. A canonização teve lugar em 1941, depois de lhe serem reconhecidos milagres.

São Nuno de Santa Maria

Nuno Álvares Pereira, Santo Condestável, nasceu no alentejo em 1360 e comandou as tropas reais contra o exercícito de Castela, sendo por isso um dos símbolos da independência do país. Depois de enviuvar, juntou-se aos irmãos carmelitas. Foi canonizado a 26 de abril de 2009, no Vaticano, pelo Papa Bento XVI. Na altura, a igreja ainda dava pormenores sobre os milagres no processo de canonização. Guilhermina de Jesus, a mulher de 65 anos que recuperou a visão depois de ter pedido a intervenção do Santo Condestável, esteve presente na cerimónia.

São José Vaz

Conhecido como José Vaz de Sri Lanka, foi o último santo de origem portuguesa igreja católica, já pelo Papa Francisco. Foi canonizado no dia 14 de janeiro de 2015 no Sri Lanka, onde trabalhou como missionário. Nasceu em 1651 em Goa, na altura território português e morreu de doença aos 59 anos em Sri Lanka, depois de ter trabalhado na assistência a cristãos perseguidos.

Ambrósio Francisco Ferro

O sacerdote de origem portuguesa, pensa-se que natural dos Açores, foi morto no Brasil a 3 de outubro de 1645 durante perseguições aos católicos. Está entre os 30 padres brasileiros mártires que serão canonizados pelo Papa Francisco a 15 de outubro e passará também a figurar entre os santos da igreja católica. Ambrósio Francisco Ferro foi torturado e morto no chamado massacre de Uruaçú, no estado de Goiás, onde hoje existe um monumento dos mártires.  

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×