26/5/17
 
 
‘Fra Balkongen’ traz a condição humana ao IndieLisboa

‘Fra Balkongen’ traz a condição humana ao IndieLisboa

Comunidade Cultura e Arte 08/05/2017 13:37

No limite entusiasmante entre a ficção e o documentário, Ole Giæver estreia a sua nova obra. “Fra balkongen – From the Balcony” é a quarta-longa metragem do realizador e produtor norueguês. Autor de “Out of Nature” (2014), voltou a marcar presença na Berlinale em Fevereiro passado, e agora no IndieLisboa, dois meses antes da estreia comercial norueguesa. Em mostra na secção Silvestre, o filme reflecte a condição humana de um cidadão residente no país mais rico do mundo, e que sente a falta de viver as emoções fortes da sua juventude. Embora com uma contínua abertura à experiência e ao risco, percebemos as limitações que o tempo facilmente impõe sobre aqueles que vivem.

Ao som de Also sprach Zarathustra, de Strauss, somos conduzidos pelo Google Earth até à periferia de Oslo, na Noruega. A cena que introduz o filme é caricata, indo repescar uma sinfonia apoteótica e injentando-a no mais mundano dos softwares. Ole Giæver representa-se a si mesmo, por meio de um vídeo diário intercalado por múltiplas imagens de arquivo: referências a jogos de computador, desenhos animados, arquivos da sua infância e juventude. Tudo serve para contar uma história; aparentemente, a sua. Sem rumo nem propósito exactamente definidos.

De certa maneira, há uma poética na imagem que nos recorda “A Árvore da Vida“, de Malick. Não é que a câmara dance tanto e de maneira tão encantadora; não estamos ao nível do deslumbramento. Mas é semelhante a forma como se reflecte sobre a passagem do tempo, as relações familiares, a história do universo, a importância dos pontos de interrogação, e o sentido das coisas. Há paralelos entre ambas as narrativas. Se “A Árvore da Vida” aponta para um propósito espiritual, e sugere uma finalidade quase religiosa que ultrapassa a nossa existência, “Fra Balkongen” fá-lo de uma perspectiva mais assumidamente científica e auto-reflexiva. Saltitamos entre a ausência de sentido e uma dança que nos faz sentir vivos, entre a velocidade estrosférica da evolução da espécie humana e as passagens em câmara lenta em que se salta do cais para a água, ou num trampolim e de mão dada.

É um filme que capta o espírito da contemporaneidade, e as perguntas cada vez mais comuns no seio da cultura humana no século em que vivemos. A procura da paz numa existência contraditória. Ole celebra o Dia da Constituição Norueguesa, mas sabe rir-se de si mesmo enquanto o faz; continua a cantar canções de Natal à volta do pinheiro, embora lamente o vazio que sente naquela época do ano. Ama os filhos e aproveita cada momento com eles, mas já não sabe exactamente como amar os pais. É um humano deslocado, com uma auto-consciência dolorosa, que improvisa canções e faz meta-reflexões sozinho em quartos de hotel. Fala sobre pintura, o holocausto, aventuras, família, a morte do tio e o fim do sol.

“Fra Balkongen” é um álbum de recortes, ritmado e inquietante. Não é que traga nada de radicalmente novo ao nível da linguagem cinematográfica, mas sintoniza-nos connosco próprios, e não desiste de procurar redenção nas pequenas coisas. A procura da beleza passa pela música de Enya, Rufus & Chaka Khan, e dos Modern Talking. Passa ainda pelas cócegas, pelo aprender a andar de bicicleta e pelos beijos no balcão da cozinha. Não é alheia à beleza a procura de novos hábitos, a observação das rotinas dos vizinhos, e o desejo de querer descobrir o mundo inteiro (sem ter o incómodo de sair do mesmo lugar).

Ser-se humano passa por se ser capaz de fazer perguntas triviais e existenciais com poucos segundos de intervalo; Ole Giæver ilustra esta nossa condição com mestria, numa linguagem refrescante e motivadora.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×